Pré 25 de Abril.
Contextualização histórica da época:
Estado politico pré 25 de Abril:

António de Oliveira Salazar tornou-se Presidente do Conselho em 1932, tendo no ano seguinte apresentado uma nova Constituição, que pôs fim à Ditadura Militar, e instaurando o regime a que a propaganda oficial chamou Estado Novo.
Um jovem nascido no regime fascista de Salazar tinha opções muito limitadas mas ideológica e politicamente fáceis, vejamos. Um jovem podia:

* Nascer no seio das elites que incorporavam o regime, só tendo que abraçar a sua ideologia, ou então nada fazer contra, de modo a preservar o seu apetecível estilo de vida.

*Nascer no meio pobre e rural, longe dos pensamentos progressistas de liberdade. Este jovem viveria conformado na sua terra, sem ligar a questões políticas porque simplesmente não se via reflectido nelas, ou, mais importante ainda, estava tão ocupado com a mera sobrevivência que as questões ideológicas eram ignoradas.

*Nascer rodeado de ideais de liberdade numa comunidade progressista e inconformada. O seu caminho muito provavelmente seria a luta contra o regime na figura de António de Oliveira Salazar. Reparem que todas as opções revelam uma facilidade ideológica e política imensa. Ora contra, ora resignado, ora a favor.

Apesar de possuir algumas características semelhantes ao fascismo italiano de Benito Mussolini, o Estado Novo nunca se assumiu como sendo fascista.

Eis algumas das características e orientações fundamentais do Estado Novo português:
suspensão das liberdades fundamentais e criação de órgãos de repressão:
– polícia política (a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado, mais tarde chamada PIDE, isto é, Polícia Internacional de Defesa do Estado);
– prisões políticas (como Peniche);
– campos de deportação (como o do Tarrafal, em Cabo Verde)
– estabelecimento da censura (à imprensa, rádio e a todo o tipo de espectáculos);
– proibição dos partidos políticos (apenas se reconhecia a União Nacional, movimento de apoio ao governo);
culto da personalidade (Salazar é considerado o “salvador” da Nação);
nacionalismo (exaltação do passado e de certas épocas da história portuguesa para engrandecimento e orgulho da Nação);
-instituição do corporativismo (para assegurar a ordem social e controlar os trabalhadores).


Assim, concluímos que o Estado Novo teve várias afinidades com os regimes fascista e nazi, nomeadamente no que toca aos princípios orientadores da organização do Estado, centralista e de não separação de facto dos diferentes poderes políticos, ao dirigismo da educação (livro único e controlo dos professores) e no que respeita ao aparelho repressivo.

Pós 25 de Abril
Contextualização histórica da época:
Estado politico após o 25 de Abril:

Após a revolta de 25 de Abril as Forças Armadas tomaram conta do poder em Portugal. Para manter a ordem enquanto não se elegia um novo governo. Foram criados diversos governos provisórios, o que criou muita instabilidade no povo. Existiram diversas reuniões, manifestações e comícios, maioritariamente nas zonas urbanas. A ordem em Portugal estava por um fio. Mas as pessoas começaram a ter liberdade de expressão, o que se gritava nas ruas antes era proibido, e este facto permitiu às pessoas darem a sua opinião e tentarem mudar a situação do país.

Mobiliário da época:

Como podemos ver nesta imagem, o mobiliário na época do estado novo era muito simples mas sofisticado. Com algumas inspirações antigas mas todos muito lisos e com sentido funcional e com o máximo de arrumação possível.

Nesta imagem podemos ver as cadeiras e os sofás, tudo muito liso e simples. Pessoalmente, ainda os nossos pais têm alguns destas peças, tal como as cores das paredes azul claro, verde claro, não se utilizava muito o branco como hoje. Ao visualizamos esta série portuguesa “Conta me como foi” foi-nos muito útil, para recolher muitas informações e inspirações, para a nossa assemblagem.

Acessorios de moda da época
Roupa Após 25 de Abril
Com influências americanas e com o próprio espírito que se sentia no país, apareceu um novo estilo de vestuário em Portugal. Juntamente com os movimentos pacíficos o “estilo hippie” a que muitas pessoas aderiram, principalmente os jovens.
As roupas eram mais leves, coloridas e frescas. Passaram a usar-se as túnicas, calças “boca-de-sino”, coletes, saias compridas e rodadas. Muitas das roupas eram feitas á mão, e tingidas para criar efeitos “alucinantes”.
Este estilo era popular tanto em homens como mulheres, pois determinava uma posição pacífica.
As mulheres puderam também passar a usar calças, o que antes do 25 de Abril era proibido.